Reflexão: Será Que Até As Garotas Alternativas Estão Ficando Padronizadas?

/
5 Comments
 Ok, todos nós já sabemos que (aliás, eu espero muito que saibam) a mídia influencia diretamente no que devemos comer, no corpo que devemos ter, na roupa que devemos usar, na cor de cabelo bonita, no modelo de família perfeito, na profissão idealizada e blá-blá-blá. 

Significado de Alternativo no dicionário: adj. Que se diz, faz ou ocorre com alternação.


Então, faz um tempo que eu sigo algumas contas de Instagram em que eles divulgam garotas alternativas, estilosas e inspiradoras. Eles já tem bastante influência positiva e várias pessoas de vários estilos alternativos os seguem. Ok, deixando claro que não é pra criticá-los, tanto que eu sigo as conta por nada-mais-nada-menos que: por que eu quero e gosto.

Porém, ando percebendo a semelhança das garotas postadas (salvo algumas exceções, até por que vi alterações após eu ter criticado) e inclusive, percebi como ser diferente delas me afetava e à minha auto-estima. Para falar a verdade, cheguei a dar unfollow por isso, até que me toquei de que não era necessário eu me sentir mal por não ser como elas e voltei à segui-los. Mas, espera aí...

Não é isso que a mídia faz com as loiras-lisas-gostosas versus naturais-cacheadas-etc?
É sim. Faz com as mulheres, se sintam mal com seus corpos e estilos. Mas não era pra ser diferente dentro de um estilo denominado “Fora Dos Padrões”

O marketing por trás das redes sociais, (como marcas de maquiagem e etc) patrocinam garotas influentes do mundo todo, até que todos os seus seguidores ou admiradores queiram obter aquele mesmo produto (por quais motivos mesmo?). Já sabemos que isso também afetou - e muito - as meninas alternativas, e, tudo bem querer divulgar uma marca que seja em comum com o estilo da modelo, mas torná-la monopólio?

Para finalizar a reflexão, vou deixar o depoimento de uma modelo australiana que resolveu falar a verdade por trás das suas fotos no Instagram, mas principalmente, 

Não sintam-se mal consigo mesmas por algo virtual, algo que muitas vezes não existe, Amem-se, vocês são lindas, independentes das suas curtidas.

<3

Fonte da Reportagem: MegaCurioso.
Na rede social das imagens felizes, O’Neill tem uma quantidade absurda de seguidores: 784 mil até o momento. E foi lá, na mesma plataforma que popularizou a sua imagem e engordou sua conta bancária, que a modelo resolveu dar um basta e contar o que há por trás de cada foto de garota perfeita, linda, feliz e invejável.
Conhecendo os bastidores de cada imagem melhor do que ninguém, O’Neill deu até um nome ao seu desabafo: “Mídia Social Não é Vida Real”. Basicamente, ela deletou mais de 2 mil fotos de sua conta e mudou a legenda das que ficaram, com a intenção de revelar as histórias nada glamourosas por trás de cada retrato. 
Em uma foto a modelo explica que foram tiradas cerca de 100 fotos para que, em uma delas, ela saísse com uma barriga bonita. Nesse dia, ela disse ter comido muito pouco e ter gritado com a irmã, que foi quem tirou as fotos.

Em outra imagem, O’Neill conta que tinha usado muita maquiagem para esconder suas espinhas e que estava sorrindo apenas para parecer bonita. Ela diz que condicionar felicidade à estética é uma forma de sufocar nosso potencial na Terra.

“A única coisa que fez eu me sentir bem nesse dia foi essa foto”, desabafou a modelo, que diz que ter um corpo tonificado não é tudo nessa vida.

“Eu não paguei pelo vestido, tirei incontáveis fotos tentando parecer bonita para o Instagram”

Aqui ela conta que recebeu US$ 400 para postar a foto com este vestido, em uma época que tinha 150 mil seguidores. Ela explica que, depois de meio milhão de seguidores, muitas marcas chegam a pagar US$ 2 mil por postagem.
O’Neill  afirma que não é errada essa negociação entre pessoas famosas, modelos e marcas, mas que as pessoas deveriam conhecer esses bastidores. “Fique atento ao que as pessoas promovem, pergunte a si mesmo ‘qual é a intenção delas por trás dessa foto?’”, incentiva.
“Se você se pegar olhando as ‘garotas do Instagram’ e desejando que sua vida fosse como a delas... Perceba que você vê apenas o que elas querem. Se elas marcam uma marca, 99% das vezes isso é pago”.
Ela explica que não há nada de errado em divulgar uma marca, mas que esse tipo de divulgação é vazia. “Não há propósito em um sorriso forçado, roupas minúsculas e receber para parecer bonita. Nós somos a geração que é ensinada a consumir e consumir, sem pensar de onde isso tudo vem e para onde isso tudo vai”.



You may also like

5 comentários:

  1. Poxa... eu ando pensando tanto nisso ultimamente... eu também tenho percebido a mesma coisa. A cada dia que passa, esses perfis de divulgação de garotas alternativas só postam meninas cada vez mais parecidas...
    Cabelos na maioria das vezes lisos e platinados, bocas grandes e bem definidas, corpo magro, desses que definitivamente não é padrão brasileiro e até mesmo estilo de se vestir parecido. E eu fico pensando, como é que eles querem divulgar pessoas alternativas se estão até mesmo padronizando as meninas que aparecem por lá, né!?
    Fico vendo como meninas mais diferentes tem cada vez menos espaço, até mesmo no espaço que seria pra elas. Tenho ficado bem chateada com isso, pra falar a verdade. E não só por causa de auto-estima e sim porque poxa, queria que meu trabalho também tivesse a chance de ser visto, mas isso não acontece.
    Enfim, muito bacana a reflexão! ^^
    bjin

    http://monevenzel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente isso Mone! Tô pensando em enviar esse post pra cada Instagram que faz isso, pra eles verem se notam.

      Excluir
    2. Exatamente isso Mone! Tô pensando em enviar esse post pra cada Instagram que faz isso, pra eles verem se notam.

      Excluir
  2. Estava pensando sobre isso um dia desses e não percebi isso em perfis de divulgação gringos/brs, mas nas próprias meninas que sigo porque gostei do estilo delas. Hoje, deixei de seguir várias, pois, passei a ver que a maioria se padronizou num estilo-alternativo-modelo. É uma pena ver que o alternativo deixou de ser alternativo. O único local onde ainda vejo uma grande variedade de garotas com vários bio-tipos é na SG, e espero que isso não mude por lá também. Ótimo texto e reflexão, Helena. Parabéns!!

    www.escolhasalternativas.com.br

    ResponderExcluir
  3. Linda demais você. Obrigada pelo texto.

    ResponderExcluir